Saltar navegação

Em suma

página de inicio ayuda (guía de consulta) buscar descargar (pdf) imprimir broken link

 

 

cita ENG Culture CAT Cultura GLG Cultura EUS Kultura SPA Cultura

  

origen  origens

Etim lat. cultūra, ae (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa [Lisboa: Temas e Debates, 2001]).

 

resumen  Resumo

A relevância de noções de “cultura’ para qualquer debate fundamentado sobre tradução foi amplamente confirmada pelos entrecruzamentos múltiplos destes dois conceitos no ambiente intelectual da transição do séc. XX para o XXI. Tais entrecruzamentos estiveram no cerne da ascensão dos chamados Estudos de Tradução à sua atual proeminência disciplinar, muito devendo a um elemento comum à “cultura” e à “tradução”, nos termos em que têm sido discutidos: um escopo conceptual ambicioso, uma tendência para expandir (indefinidamente, dir-se-ia por vezes) o respetivo alcance semântico. Tais ambições têm uma linhagem complexa, sendo também responsáveis por algumas componentes definidoras do próprio quadro de inquirição em que aqui nos situamos.

Com efeito, no presente verbete entende-se “cultura” como consistindo na maneira de viver de uma comunidade considerada, sincrónica e diacronicamente, na plenitude das suas condições materiais e imateriais. Nelas se inclui a relação entre a linguagem e a experiência, bem como o seu impacto na delineação de quadros mentais específicos, de padrões de comportamento, de conseguimentos intelectuais e materiais.

Esta utilização particularmente ampla do conceito de cultura radica em argumentos desenvolvidos ao longo do século que nos precede. Da obra de antropólogos (por exemplo, Ruth Benedict) no período entre as duas guerras mundiais  proveio a mais influente definição de cultura do nosso tempo – “toda uma maneira de viver”. Tais contributos antecederam desenvolvimentos fundamentais para o panorama disciplinar dos saberes no séc. XX tardio, incluindo o emergir dos chamados “estudos culturais” (prosseguindo perspetivas abertas por autores como Raymond Williams) e a influência ubíqua daqueles pensadores franceses das décadas de 1960 e ’70 (Barthes, Foucault, Kristeva) que protagonizaram a transição do estruturalismo para o pós-estruturalismo. Uma noção crucial gerada por tais desenvolvimentos é a de que, em vez de serem de ordem essencial ou inerente, os significados constituem-se relacionalmente – ou (no dizer de Stuart Hall) emergem de um processo de “articulação.”

Este verbete oferece uma delineação das consequências intelectuais de tais discursos sobre cultura para a conformação disciplinar dos Estudos de Tradução. As abordagens a considerar vão da teoria do polissistema à “viragem culturalista” e às perceções trazidas pela teoria pós-colonial; e destas até propostas mais recentes como sejam a ênfase em “multimodalidade” e argumentos em prol dos “estudos pós-tradução”.

 

ficha   ficha

autor Rui Carvalho Homem
fecha de publicación 2022
referencia (cómo citar) Homem, Rui Carvalho. 2022. "Cultura" @ ENTI (Enciclopedia de tradução e interpretação). AIETI.
DOI https://doi.org/ 10.5281/zenodo.6480934
URL estable https://www.aieti.eu/enti/culture_POR/